domingo, 3 de março de 2013

Treinador de Bancada

Neste jogo o técnico Jorge Vicente foi obrigado a fazer algumas alterações no onze inicial, devido a castigos e lesões, mas não modificou o sistema tático. No entanto com a perda de Aricson e de Mañas, a equipa perdeu capacidade de posse de bola e de finalização. Nos primeiros minutos o jogo foi repartido, até que no minuto 14 Lourinho disfrutou de uma grande ocasião para inaugurar o marcador. Entretanto, Nuno Abegão deu ordens para uma marcação individual a Luís Carapinha, que como é natural o fronteirense necessitava de bloquear o construtor de jogo do Elvas, para evitar que este municiasse o ataque elvense e criasse perigo nas transições ofensivas e nas diagonais que ele próprio costuma realizar com êxito. Mais tarde, já no minuto 35, Manuel do Carmo desperdiça uma grande oportunidade e no minuto 37 acontece o indesejável a lesão de Luís Carapinha. Ainda na primeira parte a equipa de Fronteira disfrutou de duas ocasiões (Diogo Tavares e Ponteiro). O Elvas não era capaz de circular a bola e de fazer as transições defesa ataque e apenas se mantinha organizado defensivamente e as bolas não chegavam á zona de finalização. O Fronteirense começava a ter mais posse de bola, enquanto o Elvas lhe faltava os criativos Luís Carapinha e Aricson para iniciarem o ataque organizado ou as transições rápidas e aquilo que se verificava era um jogo aéreo e incaracterístico, fator que veio beneficiar a equipa visitada apoderando-se do domínio do jogo. De qualquer forma, o Elvas teve um pouco a chamada “estrelinha da sorte”, porque no minuto 46 na sequência de um canto o defesa da casa Samuel incompreensivelmente mete a mão à bola dentro da área e Lourinho na transformação da grande penalidade converte e faz o primeiro golo do Elvas. Na segunda parte, o Elvas baixa ainda mais as suas linhas e defende o magro resultado de 0-1, entretanto, Luís Marques aproveitou para demonstrar as suas qualidades de guarda-redes. A meio da segunda parte Luís Bagorro desperdiça uma grande ocasião para o Fronteirense, numa fase do jogo em que se verificava um grande ascendente da equipa da casa. O Elvas fazia um bloqueio das linhas de passe do Fronteirense, principalmente do maestro João Neves e mantinha-se organizado defensivamente, falhando apenas o contra golpe para poder incomodar a defesa contrária e matar o jogo. Mas o jogo tinha que ter um caso, como é habitual nos confrontos onde o Elvas está presente, a sete minutos do fim, numa jogada em que um defesa do Fronteirense dá um ligeiro empurrão ao Carlos Xavier dentro da área e este cai, o árbitro entendeu que foi simulação e como era o segundo cartão amarelo foi expulso. Na minha opinião deveria continuar o jogo, porque se cada vez que um atleta cai dentro da área se considera simulação, então teríamos muitos jogadores expulsos em cada jogo. Esses minutos finais foram de grande sofrimento para um Elvas em inferioridade numérica e sem gente no meio campo capaz de pausar o jogo, até que surge uma transição rápida muito bem aproveitada por André Canoa, que remata de pé esquerdo, sem qualquer hipótese para o veterano Teixeira. A partir desse momento a equipa azul e oiro manteve sempre a bola longe da sua baliza.

O Elvas neste jogo, curiosamente tinha no banco 3 defesas e um médio de ataque, para além do guarda-redes João Cristo, isto significa que basta haver castigos e lesões e as opções disponíveis dão um rendimento muito inferior, em relação aos seus colegas titulares. 


Para o próximo jogo, se não estiverem o Luís Carapinha e o Mañas, é praticamente impossível substitui-los, em termos da sua função específica em campo, criando assim uma dificuldade no próprio modelo de jogo da equipa, desde a fase de construção, até à fase de finalização.

11 comentários:

  1. Muito boa a cronica! Não concordo muito com a parte da expulsão ser o caso do jogo pois este é um tema que muito delicado, na minha opinião o árbitro não podia fazer outra coisa se não mostrar o amarelo pois pelo que me pareceu no campo embora estivesse longe devido as características do estadio o toque que o Carlos Xavier sofre não é suficiente para o derrubar e ele aproveita-se desse mesmo toque para tentar "cavar" uma falta, aqui como tinha já um amarelo acho que o árbitro esteve bem. Quanto ao plantel isso que diz só não vê quem não quer ver! O plantel deste que na altura o Ruben Domingos saiu da equipa que ficamos sem um segundo ponta de lança uma situação que para uma equipa que luta pelo titulo é um erro grave que poderá sair caro caso a lesão de Mañas seja pior do que se pensa ou que o Espanhol agora quando voltar não conseguir recuperar a excelente forma em que estava antes de se lesionar. Manuel do Carmo já todos vimos que a posição dele é a trás do ponta de lança ou nas alas e não a ponta de lança!

    ResponderEliminar
  2. Também estou de acordo com o comentarista do blogue pois por aquilo que vi o Elvas teve alguma sorte e defendeu-se bem e aproveitou duas oportunidades mas teve mais, embora o Fronteirense também tivesse algumas oportunidades, talvez o resultado certo fosse pela diferença mínima.

    ResponderEliminar
  3. O que é imperdoável no meio disto tudo é a direção não ter contratado mais um ponta de lança. Só se preocupam com os iniciados. Álem do Mañas não existe outro e para uma equipa que quer subir é muito pouco. Esperemos que a lesão não seja complicada.

    ResponderEliminar
  4. Exato.
    O Elvas teve sorte, muita sorte, em Fronteira. Mas ganhou.
    Pior estiveram o Crato e o Campomaiorense, em Fronteira. Mas empataram.

    Faz-me lembrar as vitórias felizes do Elvas em Gavião e em Sousel. Mas trouxeram de lá 6 pontos. Sorte!
    Em Sousel e Gavião, o o Campomaiorense fez 0 pontos. Azar!

    Num campeonato a 30 jornadas, ao fim, aquilo não é apenas uma soma de sortes e azares.
    É, apenas, uma adição de pontos.

    ResponderEliminar
  5. Ao Elvas, faltam 9 jogos: 5 em casa e 4 fora.

    Em casa: Mosteirense, Santo Amaro, Alpalhoense, Esperança e Condestável.
    Santo Amaro, dificuldade média.
    Os restantes 4 são de dificuldade baixa.

    Fora: Gafetense, Montargilense, Campomaiorense e Crato.
    Montargilense é de dificuldade baixa.
    Os outros 3 são de dificuldade elevada.

    Ou seja: está na hora de mostrar se temos valor para provar, em qualquer campo, que somos a melhor equipa do campeonato.
    O resto são tretas.

    ResponderEliminar
  6. Sim, concordo.
    Distrital é como I Liga.
    O Benfica para ser campeão tem de não perder no Dragão.
    No distrital, o Elvas não pode perder em Campo Maior e muito menos no Crato.

    ResponderEliminar
  7. Mas atenção que o jogo em Gafete também vai ser muito complicado e não é só em Campomaior e Crato. E não nos podemos esquecer que o Crato já ganhou em Gafete e empatou em Campomaior mas tem que ir a Gavião e Santo Amaro.Ainda tudo pode acontecer, portanto é preciso ter cuidado com estas conclusoões que se tiram.

    ResponderEliminar
  8. Sem esquecer que temos um jogo dificil em casa contra o Santo Amaro uma equipa que está a subir muito nesta segunda volta e tem um excelente treinador.

    ResponderEliminar
  9. Próxima meta: recuperar as boas exibições, golear o Mosteirense e evitar alguma expulsão que tire um jogador do jogo de Gáfete. Não sabemos que árbitro nos calhará...

    ResponderEliminar
  10. deu para ver que continua o mesmo que temos jogadores já com certa idade e que miudos fazem o mesmo.
    miudos que andam a jogar pelo distrital fora, mas nós gostamos é do que vem de fora.
    Tivemos alguma sorte visto que principalmente na segunda parte quase não passavamos do meio campo o fronteirense estava a correr atras do prejuizo, tambem é bom saber ver quando se tem que juntar linhas como fizemos.
    foi um "bom" jogo foi pena os golos foram poucos. penso que o resultado mais justo teria sido um 2-2 ou talvez ate um 3-3 .
    bom jogo de joao leal, ponteiro e ate mesmo do estreante emanuel granadeiro. (estes ultimos jovens com uma grande margem de progressão) bons jogadores esse jovens do concelho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só falta dizer que o elvas nao tem boa equipa este ano... Queria o quê? por a equipa de juniores? que nem sequer vão em primeiro no campeonato distrital? Aqui não interessa se o jogador é de fora ou de dentro, o que interessa é a qualidade e o dar tudo por esta camisola.. coisa que alguns jovens do concelho não fazem..

      Eliminar